terça-feira, setembro 28, 2010

As baixarias contra Dilma, Lula e o PT

Desmascarando os e-mails falsos. Espalhem pela Net

Para facilitar a divulgação nesta última semana de campanha, fiz uma compilação dos emails falsos que circulam nesta campanha sobre Dilma Rousseff e seus respectivos desmentidos. Cada link remete ao leitor ao texto em questão. Espalhem, é importante:

A morte de Mário Kosel Filho: http://migre.me/1pfAb

A Ficha Falsa de Dilma Rousseff na ditadura http://migre.me/1pfCc

O porteiro que desistiu de trabalhar para receber o Bolsa-Família http://migre.me/1pfEJ

Marília Gabriela desmente email falso http://migre.me/1pfSW

Dilma não pode entrar nos Estados Unidos http://migre.me/1pfTX

Foto de Dilma ao lado de um fuzíl é uma montagem barata http://migre.me/1pfWn

Lula/Dilma sucatearam a classe média (B) em 8 anos: http://migre.me/1pfYg

Email de Dora Kramer sobre Arnaldo Jabor é montagem http://migre.me/1pfZH

Matéria sobre Dilma em jornais canadenses é falsa: http://migre.me/1pg1t

Declarações de Dilma sobre Jesus Cristo – mais um email falso: http://migre.me/1pg2F

Fraude nas urnas com chip chinês – falsidade que beira o ridículo: http://migre.me/1pg58

Vídeo de Hugo Chaves pedindo votos a Dilma é falso: http://migre.me/1pg6c

Matéria sobre amante lésbica de Dilma é invenção: http://migre.me/1pg7p

Bom jornalismo sobre o Brasil do presidente Lula, tem na Al-Jazeera e no The Independent! (E é grátis! Viva a blogosfera independente!)

 Da Vila vudu...

Blogosfera brazilian-way: o melhor jornalismo do Brasil! É nóis! CCo: ombudsman@uol.com.br

O pessoal aqui NÃO LÊ o Estadão, nem a FSP nem JAMAIS ouviu falar de Mervais Pereiras, de Danuzas Leãos ou de Elianes Cantanhedes ou de Fernanda Torres (mas... por que, diabos, Fernanda Torres seria opinião a considerar sobre alguma coisa?! Por que não a Rita Cadillac?!).

Em matéria de "mal a evitar", a gente já sabe de tudo, e JAMAIS lê nem o Estadão nem a Folha de S.Paulo. (Só o ombudsman da Vila Vudu lê tudo e espinafra tudo, todos os dias. A gente paga, e o coitado trabalha pela democratização dos muitos, aqui.)

Mas... por que, diabos, alguém ainda pensa que opiniões de Danuza ou de D. Eliane ou de Fernanda Torres & Mervais seriam importantes para alguém?  Só porque parecem importantes aos Mervais, Danuzas, Elianes e coisa e tal? Tenham paciência, Donas Elianes & Mervais! Só rindo, D. Ombudsman da FSP!

Em Mirandiba, Pernambuco, ninguém jamais ouviu falar de Mervais e Danuzas e Elianes e Sérgios Faustos e coisa-e-tal. (Sorte deles!)

Mas jornais interessantes e jornalistas inteligentes já ouviram falar de Mirandiba, Pernambuco -- locais onde os Danuzos e as Mervais e Cantanhedes e Clóvis Rossi (Ih! Quase ia esquecendo! kkkkkkkkkkkk) JAMAIS puseram os pés e, se passaram por perto, não nos viram. Sorte nossa e azar dos Mervais e Danuzos aí! 

Bom jornalismo, do tipo que as Elianes e Mervais e Danuzas e Sérgios Faustos não sabem fazer -- ou, se sabem, por que não fazem?! --, lê-se hoje em Al-Jazeera Online, em http://blogs.aljazeera.net/americas/2010/09/24/combating-hunger-brazilian-way

Taí! De Mirandiba para o mundo... sem nem saber que existem FSP e Estadão e esse jornalismo HORRÍVEL aí, de danuzos e mervais! É nóis! Isso é que é vida, sô! 

E há bom jornalismo sobre o Brasil, hoje, também, no The Independent de Londres, só elogios a Dilma, nossa futura presidente: "de resistente contra a ditadura brasileira, ao posto de mulher mais poderosa do mundo". Está em http://www.independent.co.uk/news/world/americas/the-former-guerrilla-set-to-be-the-worlds-most-powerful-woman-2089916.html

[As matérias foram traduzidas, é claro, prô pessoal aqui. Mas os danuzos e elianes e ombudsman aí diz que sabe ingleis. Que se virem, pra se informar melhor.]


By Gabriel Elizondo in on September 24th, 2010.

Jose Rufino Sobrinho. Photo: Maria Elena Romero/Al Jazeera
By the nature of our job, as journalists we often have to tell stories about what is broken and not working in the world.
So it comes as a nice divergence to be able to tell a story about something that is not broken and functioning quite well. 
That is what brought me to the small city of Mirandiba, Brazil, recently.
With a population of 13,810, the town is in the interior of Pernambuco state - roughly 500km inland from the capital of Recife.
Mirandiba is one of the poorest cities in all of Brazil, where 76 per cent of the population live on less than half of the minimum monthly salary.
There is almost no industry to speak of there. Making matters worse, the city is in the heart of the semi-arid region of Brazil, where most of the year the sun bakes the packed dirt landscape.
Mirandiba is in many ways a typical, unforgiving place in the northeast of Brazil that in the past people had to escape from in order to find decent work.
But that is now changing and that is why I came here.
Mirandiba is becoming a glowing example of Brazil’s world renowned Zero Hunger programme, implemented earlier this decade under President Luiz Inacio Lula da Silva (who as a child suffered from hunger himself).
The Brazilian government has over 50 different government initiatives, from various government ministries, that combat poverty, the cornerstone being the Zero Hunger titled initiative.
All told, the government has invested more than $9bn last year alone in the efforts.
What makes Brazil unique in this regard is how combating hunger and enhancing food security is not just one element of  larger anti-poverty campaign (like it is in many other countries), but rather, battling hunger is seen in Brazil as a basis of all other poverty initiatives.
All anti-poverty initiatives, in some way or another, trickle down from the Zero Hunger programmes.
This way of looking at the hunger issue has proven results: In the past 10 years Brazil has cut by 50 per cent the number of underweight children and is on track to also halve the overall levels of hunger.
The country is on track to meet a UN Millennium Development Goal deadline on hunger before the 2015 deadline.
Below: A recent episode of Al Jazeera's Inside Story programme about the UN Millennium Development Goals, where my video report from Mirandiba, Brazil can be seen midway through. 
As a result, Brazil has cut poverty rates from 21 million people in 2003 to 8.9 million today, according to widely accepted figures from the government and backed by NGOs.  
Earlier this yea,r the Brazilian Congress inserted the right to food as a fundamental right into the constitution.
Anti-poverty NGO ActionAid recently released a report, titled Hunger Free Scorecard, where they ranked Brazil as the world leader in developing countries in combating hunger for the second straight year.
The Mirandiba Example
In Mirandiba, many of the government’s anti-hunger policies can be seen being implemented.
It’s not about handing out food, the overall policies are much more complex and interconnected.
It basically goes like this: In Mirandiba the local government, backed by funding from the federal government, has encouraged small scale agriculture by handing out seeds and know-how to locals.
The produce grown is meant to be a first step to enhance production of food to feed the grower and his/her family and avoid the costs associated with buying food from a supermarket.
But then the government basically tells the farmers in Mirandiba: "Join our co-operative and any produce you don’t use for your family - whatever is left over - we will buy back from you."
So every Monday in the town, the small scale, family farmers, bring their goods to a market where the produce is sold to buyers from local hospitals, schools and civic organisations - which in turn use the produce to help feed hungry people.
File 3585
Children in Mirandiba now get healthy meals at school from locally grown crops. Photo: Maria Elena Romero/Al Jazeera.
At the market, no cash is exchanged. Instead, handwritten logs are kept on how much produce is sold, by whom and to whom, and at the end of the month the farmer can stop by the office of a local NGO and pick up their cheque from the government.
 “This is a very important step, because families that just receive free food handouts become depended on this food aide so what we try to do is different,” said Dorivaldo de Se, the head of local ConViver NGO, which manages the programme locally with support from ActionAide Brazil.
“We give the family farmer incentives to produce not only for themselves but for the community.
"The little they sell, even if it’s a little bit, that money is very important because with that money they buy medicine, clothes, shoes.”
File 3589
Dorivaldo de Se, who heads the Mirandiba NGO ConViver, helps implement the government family agriculture programmes at the local level. Photo: Gabriel Elizondo/Al Jazeera 
It’s a win-win situation. The government buys fresh produce at a reasonable price from local growers rather than big ag-industry farms.
The money stays in the community. And the local family farmers earn a supplemental income (much of which is reinvested in their plot of land to produce more).
“Before things were more difficult for us, but after this co-operative started things got much better,” Adilson do Santo, one of the local co-operative farmers told me.
“Before when we wanted to make some money we had to leave, go far away, to get employment. But now we don’t have to go anywhere to work other than our plot of land.”
But the government has taken it a step further, and also installed above-ground cement water storage tanks on the land of the farmers who join the co-operative as a way to guarantee they have enough water for their produce during the dry seasons.
File 3597
Produce at the local market in Mirandiba where once a week family farmers are guaranteed to sell their produce to local schools and hospitals that need it. Photo: Maria Elena Romero/Al Jazeera 
The water tanks, from the agriculture ministry, are all stamped with a logo that reads “Zero Hunger”.
“Things are very dry now, but the water tanks have allowed me to know that I will have the water needed to get through the year,” Angelo da Silva, another small farmer, told me.
Three of da Silva’s eight children left Mirandiba to find work elsewhere before the co-operative came into existence.  
But now he he is hoping future generations of children can stay in the town, expanding their co-operatives. Leaving Mirandiba to find work will be by choice, and no longer a necessity, he says. 
Woman power
The programme has become so successful in Mirandiba, it has triggered grassroots co-operative/communities.
About two hours outside of Mirandiba is the community of Croatá, which is home to “a little more than 20 families,” I am told during my visit there.
File 3605
Teresinha Leite da Silva tends to her crops which she will then sell. Photo: Maria Elena Romero/Al Jazeera.
Here the families, most of whom are related, have joined forces to turn 20 small family farms into one medium sized, jointly run co-operative.
The men and women divide the duties of working the land. The men are in charge of organising the transport of the goods to the market in Mirandiba each week. The women manage the finances and organisation of the community.
More than 50 per cent of the small farmers who take part in the co-operative in Mirandiba are women, like Teresinha Leite da Silva, 29, who has a small plot of land about half the size of a football pitch.
She grows vegetables, potatoes and herbs with her husband and and in-laws.
“We cultivate, take it to the market to sell, and after we wait for our money which is a cheque we get on a determined date each month and pick up at ConViver (the local NGO)," she says.
"This is good because before we worked but never sold anything. There was no market. Today we know what there will be a buyer for our production, guaranteed.”
She and her family are by no means rich. But certainly better off than before, she says.
File 3601
Me taking a picture of a family in the community of Croatá, where all the woman - young and old - help with the farming co-operative in some way. Photo: Maria Elena Romero/Al Jazeera. 
"The programme has improved the nutritional intake, it has created autonomy, generated income, and many learned for the first time what money was," said Dorivaldo de Se, from the local ConViver NGO.
"It has balanced gender issues, and it increased the production of fruits and vegetables. I believe the Zero Hunger programme makes us think about hunger in a different way and about the potential we have for combating it.
"I ask myself: Why do people go hungry in the world? Maybe because we lack an initiative to teach people to produce."
De Se says he is expanding the programme so that families in surrounding communities that are still hungry can learn from other families about how to start to produce locally.  
Despite all the progress, nobody is claiming Brazil has ended hunger in the country.
There are still millions of people here who don't have enough to eat. All you have to do is watch Brazilian filmmaker Jose Padilha’s recent documentary Garapa to understand this fact (read a review of the film and watch the trailer here).
But the steps that have been made in this country are non-debatable. What is happening in Mirandiba is being replicated all over Brazil.
“It is undeniable the advancements against hunger obtained by the social policies of the last years, many of which are the result of proposals of historic proportions by civil society,” said Rosana Heringer, executive director of ActionAid Brasil.
“The forecast of Brazil is that this rhythm will be maintained in the coming years and extreme poverty should be eradicated in Brazil by 2014.”
If that is the case, a big reason why will be thanks to government programmes supported by NGOs in remote places deep in the interior of Brazil.
Where big ideas against hunger drummed up by important people far away - yet implemented in a small scale by humble people - are changing lives for the better.
In places just like Mirandiba. 

domingo, setembro 26, 2010

"CULTURAS DA RESISTÊNCIA: os pescadores de Gaza" (vídeo)

Cultures of Resistance: Fishing Under Siege from Cultures of Resistance on Vimeo.

Israel é a vergonha do mundo.

Veja mais aqui: http://www.gaza-strophe.com/esp/index.htm


A onda vermelha

Vox Populi: Dilma ultrapassa Serra em SP; tem 14 pontos de vantagem

24/09/2010 20:2
Em um mês, Dilma cresce dez pontos e ultrapassa Serra em SP
Petista foi de 33% para 43% no Estado administrado pelo PSDB há quase 16 anos; tucano cai 11 pontos e soma agora 29%
Matheus Pichonelli, iG São Paulo
Em apenas um mês, a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, cresceu dez pontos e ultrapassou o adversário José Serra (PSDB) em São Paulo, Estado administrado pelo tucano até o início de abril. De acordo com a mais recente pesquisa Vox Populi/Band/iG, publicada nesta sexta-feira, ex-ministra da Casa Civil, que em agosto tinha 33% das preferências dos eleitores paulistas, soma agora 43% no principal reduto tucano do País.
No período, Serra teve queda de 11 pontos na região; hoje é o candidato favorito de 29% dos entrevistados. O tucano também perdeu a dianteira que era apontada em agosto entre os eleitores do Rio Grande do Sul. Ele tinha 39% das intenções de voto dos gaúchos em agosto e agora tem 31%. No período, Dilma saltou nove pontos e hoje soma 46% na região.
A candidata petista está à frente dos adversários nos seis Estados pesquisados pelo instituto (SP, RJ, DF, RS, PE e BA), enquanto Serra perdeu pontos em todas as regiões.
Já Marina Silva (PV) apresentou crescimento nos seis Estados. Destaque para o Rio de Janeiro, onde a candidata verde cresceu seis pontos e chegou a 17% das preferências – mesma pontuação obtida por Serra entre o eleitor fluminense. No Distrito Federal, ela passou de 14% para 18% e empata tecnicamente com o tucano (que tem 20%).
Marina também avançou em São Paulo (9% para 12%), Bahia (5% para 9%), Pernambuco (de 6% para 8%) e Rio Grande do Sul (6% para 7%).

Ibope: Bahia pode eleger dois senadores de esquerda
por Charles Carmo, em O Recôncavo

A Bahia pode eleger dois senadores de esquerda. Pela primeira vez os candidatos ao senado ligados ao  governador Jaques Wagner lideram as pesquisas. A pesquisa Ibope/Rede Bahia, divulgada na noite desta sexta-feira (24), traz os seguintes números: Pinheiro e Lídice ultrapassaram César Borges na preferência do eleitorado. No levantamento, Pinheiro aparece com 35%, Lídice com 32% e César com 29%.
Ao que parece, o senador César Borges pode ficar fora do Senado. Tércia Borges também.


IstoÉ: A onda vermelha toma conta do país

por Octávio Costa e Sérgio Pardellas, da IstoÉ
Na esteira da candidatura de Dilma Rousseff à Presidência, uma onda vermelha está tomando conta do País. No início da corrida eleitoral, essa imagem foi cunhada pelos estrategistas da campanha do PT para motivar a militância. Mas, agora, tornou-se realidade. As pesquisas de opinião revelam a supremacia dos candidatos governistas na maioria dos Estados, o que poderá garantir a um eventual governo Dilma ampla maioria na Câmara e no Senado. Surfando numa maré mais favorável do que aquela que levou o ex-metalúrgico Lula ao Palácio do Planalto em 2002, os candidatos da base aliada aos governos estaduais lideram as eleições em 19 das 27 unidades da Federação. Na disputa pelas cadeiras do Senado, a onda vermelha é tão volumosa que deverá eleger 58 dos 81 representantes e deixar sem mandato quadros históricos da oposição. Na Câmara, os partidos governistas devem conquistar 401 dos 513 assentos.
“Acho que vamos assistir a uma vitória esmagadora dos partidos da coalizão do governo”, prevê o presidente do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social, Geraldo Monteiro.
Não bastasse a liderança em 21 Estados, Dilma está na frente de José Serra (PSDB) em locais em que Lula foi derrotado pela oposição em 2006. Apesar da oscilação registrada na última semana, a ex-ministra está perto da vitória em antigos redutos oposicionistas como São Paulo, Santa Catarina e Paraná. Na maioria dos Estados em que ela lidera as pesquisas, os candidatos que apoia também estão na dianteira. Bons exemplos são o Rio de Janeiro e a Bahia, onde os governadores Sérgio Cabral (PMDB) e Jaques Wagner (PT) são favoritos para se reeleger no primeiro turno. Como exceções aparecem Minas Gerais, com Antonio Anastasia (PSDB) na liderança, e São Paulo, onde Geraldo Alckmin (PSDB) supera Aloizio Mercadante (PT). No Paraná, a onda vermelha já proporcionou uma grande virada. As últimas pesquisas mostram que o tucano Beto Richa, antes favorito ao governo, perdeu o primeiro lugar para Osmar Dias (PDT). Reviravoltas também têm ocorrido na disputa para o Senado. Até então cotado para uma das vagas do Rio, Cesar Maia (DEM) foi ultrapassado pelo ex-prefeito de Nova Iguaçu Lind­berg Farias (PT). No Amazonas, Arthur Virgílio perdeu o segundo lugar para Vanessa Grazziotin (PCdoB). Em Pernambuco, Marco Maciel (DEM), segundo colocado atrás de Humberto Costa (PT), foi ultrapassado por Armando Monteiro Neto (PTB).
A inédita sintonia fina entre Executivo e Legislativo, a partir de 2011, trará benefícios para o Brasil. Caso se confirme a sólida maioria no Congresso do possível futuro governo Dilma Rous­seff, o Brasil terá finalmente a chance de aprovar as mudanças estruturais que se fazem necessárias há anos, como as reformas política e tributária. “A agenda congressual a partir do ano que vem exigirá a votação das reformas. Com maioria no Legislativo e vontade política, será possível avançar nessas questões”, afirma David Fleischer, cientista político da UnB. Outro aspecto importante é a possibilidade da formação de uma concertação política, composta por partidos aliados chancelados pelo desejo popular. Desde a redemocratização do País, os governos construíram suas maiorias pelas artes do fisiologismo e das políticas do toma-lá-dá-cá, numa espécie de balcão de negócios em pleno Congresso. Nesse novo cenário, queiram ou não, deputados e senadores serão levados a participar de uma ação conjunta, na qual é de esperar que os objetivos políticos se sobreponham à visão patrimonialista do mandato.
Há quem afirme que a concentração de poder nas mãos do Executivo, com o Legislativo dócil à vontade do Planalto, pode permitir uma recaída autoritária. O temor não se justifica. Não há ambiente no Brasil para esse tipo de surto. As instituições são sólidas e democráticas, e não há espaço para mudanças constitucionais em benefício de um partido, como aconteceu na história do México, onde o PRI controlou a vida política por 71 anos, graças ao domínio da máquina pública. “O que aconteceu no México foi muito diferente. O PRI chegou ao poder quando a economia mexicana, a sociedade e os políticos eram muito rudimentares e eles forjaram instituições para guiar o desenvolvimento em todas as áreas. Já o PT emergiu no momento em que a economia e as instituições já estavam consolidadas”, compara o brasilianista Peter Hakim, presidente do Interamerican Dialog.
Contrariando todas as evidências, intelectuais e setores da elite, em São Paulo divulgaram, na semana passada, um manifesto em defesa da democracia e da liberdade de expressão. Um dia depois, o Clube Militar, no Rio de Janeiro, instituição marcada pelo apoio ao antigo regime de exceção que infernizou o País por 20 anos, promovia um inusitado painel de debates para discutir também supostos riscos à democracia no País. Tanto o documento do grupo de intelectuais quanto os debates dos militares ficaram a um passo de questionar a própria legitimidade da eleição de Dilma, em razão da participação do presidente Lula na campanha. Ambos não levaram em conta que a legitimidade brota das urnas. Embora o eleitor manifeste maciçamente sua intenção de votar pela continuidade das políticas oficiais, a opinião pública não vem sendo espelhada na ação de alguns agentes do processo político. O que parece ter sido esquecido no manifesto oposicionista de tendências golpistas é que a democracia é exercida pelo voto.
O temor de uma vaga autoritária por parte do governo é deslocado da realidade. Não reflete o momento que o Brasil vive. Não há sinais concretos de que o presidente Lula tenha atentado contra a liberdade de imprensa. Ele vem fazendo apenas críticas pontuais, direito que não pode ser negado a qualquer cidadão, muito menos ao presidente. De resto, desde a luta contra a ditadura, Lula mostrou-se defensor intransigente das liberdades democráticas. “É incrível como as pessoas ficam empurrando o Lula para o chavismo, quando ele tem permanentemente se recusado a cruzar essa fronteira”, rebate o ex-ministro Delfim Netto, com a ironia de sempre. Delfim tem razão. A não ser que o observador da cena nacional, assustado com a onda vermelha, queira ver chifre em cabeça de cavalo.

sábado, setembro 25, 2010

Serra demonstra como calculou os R$600

Em uma aula, o mestre demonstra as técnicas utilizadas para calcular o salário mínimo de R$600,00.

sexta-feira, setembro 24, 2010

Duas imagens simbólicas, dois projetos políticos opostos, duas histórias

Com a palavra a defesa da soberania nacional: O Brasil está orgulhoso do Brasil

setembro 24th, 2010 by mariafro

Dedico este discurso de soberania nacional a meu irmão Carlos e a todos petroleiros como ele.
Graças à luta dos pretroleiros a Era da privataria de FHC não conseguiu passar os cobres na Petrobras.

setembro 24th, 2010 by mariafro

Dia histórico hoje, lembrem-se brasileiros daqueles que efetivamente asseguram nossas riquezas e a soberania nacional.
O Brasil dos tucanos:
Serra e privatizacao
(Serra batendo o martelo para privatizar patrimônio público, Escelsa, a primeira companhia de energia elétrica a ser privatizada na era da privataria neoliberal tucana). Hoje, várias empresas de telefonia (setor também privatizado na Era FHC) e a Escelsa estão no topo da lista de reclamações do Procon.
O Brasil dos brasileiros

Presidente Lula comemorando a maior capitalização da história da Petrobras, uma empresa que embora os tucanos tenham arduamente tentado privatizar não conseguiram.
Viva a brava resistência dos petroleiros que impediram que FHC desse nossas riquezas para o capital estrangeiro.


O Gato Filósofo recomenda para ouvir no fim de semana...


quinta-feira, setembro 23, 2010

Na Vila Vudu, a vida prossegue TOTALMENTE normal.

 A Vila Vudu JÁ DECIDIU que, no dia em que as Donas Danuzas e Koras Dramers e Otavinhos e Mervais e a D. Eliane das 'marketagens' tiverem poder para dar golpes, a Vila Vudu já estará plenamente capacitada para operar milagres garantidos e gratuitos, pra todos que chegarem, em tempo integral.
Se tooooooooooooooooooooooodos os leitores da Folha de S.Paulo e do Estadão forem totalmente engambelados pelo papim furado da D. Eliane Cantanhede e do Clóvis Rossi, em surto coletivo de estupidez aguda, e decidirem votar na insuportável Marina Silva (já que, na UDN-Titanic-paulista-tucana-em-si, ninguém votará, mesmo, como ATÉ a D. Eliane e o Sêo Clóvis já perceberam), nem isso fará NEM CÓSCA na eleição da presidenta Dilma.
A única sumidade que se deve consultar, segundo o Gato Filósofo da Professora, de agora até as eleições, é "Tom Collins".
Perguntado sobre por que essa específica sumidade, o Gato Filósofo declarou à reportagem do Vila Vudu Weekly que "Tom Collins não é sumidade-candidato nem é sumidade-jornalista nem é sumidade-metida-a-sociológica e, sobretudo, não é sumidade dita 'ética' feito a D. Dora Kramer ou a D. Danuza ou o Caetano Veloso".
Para o Gato Filósofo, todas essas sumidades-aí "valem nada e nada acrescentam, além de serem responsáveis por grave dano colateral, porque roubam o tempo que os consumidores do que dizem-escrevem essas autoproclamadas sumidades poderiam dedicar a leitura realmente importante", pensa o Gato Filósofo. "Exceto o Caetano Veloso, que se pode mandar fechar a matraca, e ouvi-lo só no gramofone".
"Tom Collins é uma bebidinha" -- informou o GF. "O meu, sempre, com bom gim, açúcar ultrarrefinado e suco de lima da Pérsia".  
De hoje até as eleições, o Gato Filósofo e a professora estarão em retiro espiritual, num instituto japonês da Vila Madalena, onde se entregarão a massagens e práticas as mais tresloucadas, tratamentos com luz, perfumes, pedras magnetizadas e fumaças (além de "Tom Collins" para o GF, e uísque para a professora).
O Gato Filósofo lembra que hoje, 22/9, é dia importantíssimo do calendário lunar, comemorado em todo o mundo, há milênios, negócio de bruxas & bruxedos & outonos-primaveras, que o Gato Filósofo jamais discute com não iniciados. 
O Gato Filósofo recebeu a reportagem de Vila Vudu Weekly em seu gabinete decorado com lanternas vermelhas e muitas bandeirinhas e estrelinhas vermelhas, cor à qual se atribuem, há milênios, poder para atrair e gerar potências de fecundidade, fartura e alegria (em inúmeras culturas em todo o mundo, e também para os comunistas), nos fundos do Kiosque do Zé do Ki, na Vila Vudu, pouco antes de internar-se, com a professora, para seu retiro espiritual antijornalístico.
"Voltaremos às lides filosóficas libertárias dia 4/10, quando o Brasil já terá nova presidenta e a UDN paulista e seus des-jornalistas já estarão re-derretados e tri-derrotados. Mas os nossos felizes anos Lula no Brasil já serão passado, e, sim, haverá muuuuuuuuuuuuuuuuuuuito por fazer" -- o Gato Filósofo despediu-se de nossa reportagem sem sorrir, olhos brilhantes, bigodes atentos.

LULA: nós somos a opinião pública

Corre-lá! Avisa a D. Miriam Leitão e o Sardemberg! Eles não sabem!

Brasil, China e Índia à frente dos EUA,
como destino de investimentos 

A notícia abaixo -- ausente do 'jornalismo' dos 'jornais' paulistas --, explica bem o desespero dos tucanos-pefelês, ao se verem derrotados nas próximas eleições presidenciais e em São Paulo.

E implica que, daqui até lá, se devem esperar os mais tresloucados gestos dos jornalões paulistas e da Rede Globo e da revista (NÃO)Veja. E essa notícia é só um aperitivo da  bocada da qual os tucanos-pefelês estarão TOTALMENTE alijados. Até que enfim! 

Não esqueçamos que a tucanaria paulista, além de, em matéria de grana, posicionar-se sempre "no limite da irresponsabilidade" -- que sempre é quilômetro e meio para fora do limite da responsabilidade -- , QUEBROU O BRASIL TRÊS VEZES! (E quem diz é o Delfim Neto). 

Há apenas três meses, os EUA ainda eram líderes absolutos mundiais como destino de investimentos. Essa semana, pesquisa “Global Poll”, do canal Bloomberg, mostra que os mercados emergentes Brasil, China e Índia tiraram-lhe a liderança.
Na pesquisa feita nos dias 16-17 de setembro, com 1.408 investidores, analistas e corretores assinantes do canal Bloomberg, os entrevistados deixaram bem evidente que a economia norte-americana está hoje em quarto lugar na estimativa de possibilidades de gerar lucros para o próximo ano, atrás de Brasil e China, empatados no primeiro lugar, e a Índia em terceiro.
Se se consideram só os grandes países desenvolvidos, nenhum dos quais vai bem das pernas, então, sim, a economia norte-americana ainda lidera (...).
A pesquisa também mostra que as avaliações das possibilidades futuras do dólar também mudaram significativamente desde a pesquisa de junho, quando 63% dos entrevistados acreditavam que a moeda norte-americana se fortaleceria em relação ao euro nos três meses seguintes. Hoje, três diferentes opiniões estão praticamente empatadas: 34% dos entrevistados ainda esperam ver o dólar mais forte nos próximos três meses; 32% não espera mudanças; e 30%, um dólar ainda mais fraco.

rottweillers digitais tucanos

Brizola Neto: José Serra e sua campanha vira-latas

setembro 22nd, 2010 by mariafro

Ontem eu postei aqui no Maria Frô como seria os últimos estertores de uma campanha que primou pelo baixo nível e nenhuma proposta política.
No twitter esta baixaria ela não teve repercussão, embora tivesse apoio dos #jornalistasdeverdade (leia-se aqueles que acham que a grande mídia é censurada no Brasil). Mesmo assim, com toda a força tarefa os tucanos não conseguiram chegar sequer ao TT de São Paulo.
Brizola Neto, no texto a seguir, traz outras questões sobre os rottweillers digitais tucanos, TSE irá agir?
Serra usa rottweillers. Tática de vira-latas?
Por: Brizola Neto, em seu blog

Alô procuradora-eleitoral Sandra Cureau!
A senhora conhece o artigo 51, Inciso IV, da Lei 9504, que regula a propaganda eleitoral?
Pois ele expressa que “na veiculação das inserções é vedada a utilização de gravações externas, montagens ou trucagens, computação gráfica, desenhos animados e efeitos especiais, e a veiculação de mensagens que possam degradar ou ridicularizar candidato, partido ou coligação.”
Pois é exatamente isso do que se vale a ofensiva terrorista tucana no seu desespero diante da derrota anunciada.
Na reta final da campanha, será o “terrorismo eleitoral” declarado, como classifica o próprio  Estadão, usando uma série de vídeos de ataques à Dilma Rousseff preparados pelo marqueteiro Adriano Gehres, e que estão prontos para serem utilizados no programa eleitoral gratuito.
Os vídeos, aprovados por José Serra, se valem de todos os recursos proibidos em uma campanha eleitoral: montagem, trucagem e efeitos especiais para reforçar a agressividade do que pretendem disseminar para assustar a sociedade.
Em um dos vídeos, que já pode ser visto na internet e a esta altura certamente está sendo disseminado pelos brucutus da campanha serrista, a imagem sorridente de Dilma vai se transfigurando até assumir o rosto de José Dirceu. A voz grave, em off, narra: “Dilma foi escolhida a dedo pelo PT por um motivo muito simples: ela vai trazer de volta todos os petistas que foram cassados ou que renunciaram. Dilma vai trazer de volta inclusive aquele que o procurador-geral da República chamou de chefe da quadrilha. Você pode até escolher a Dilma, mas quem vai governar é o PT.”
Os outros vídeos seguem o mesmo nível baixo deste e um deles chega a usar um clone do presidente Lula segurando quatro cães rottweilers, como se fossem os radicais do PT. O texto diz que Lula soube segurá-los, “já a Dilma…”
O terrorismo eleitoral dos vídeos é o retrato de uma campanha derrotada, que abandonou qualquer princípio ético, e tenta manipular as pessoas pelo sentimento do medo. Não se trata de nenhuma novidade em se tratando de Serra. Em 2002, ele recorreu a um vídeo com Regina Duarte dizendo que tinha medo do que seria o país com Lula. O povo ignorou o temor da atriz e votou sem medo de ser feliz.
Como voltará a fazer agora, depois de oito anos gloriosos, em que viu suas condições de vida melhorarem sensivelmente.
José Serra não sairá dessa campanha apenas menor do que entrou. Sairá escorraçado como um vira-latas, junto com seus rottweillers.

quarta-feira, setembro 22, 2010

Blackwater & Co.

A “negabilidade[1] total”15/9/2010, Jeremy Scahill, The Nation

Ver também “Erik Prince: o homem da Blackwater”, 27/6/2010, em português, no Blog Viomundo, em
 (de Vanity Fair, 27/6/2010)  e
“Cowboy Contractors: Armed and Dangerous”, Guardian, 21/9/2010 (em inglês) em

Ao longo dos últimos anos, entidades muito intimamente ligadas à empresa de segurança Blackwater têm prestado serviços de inteligência, treinamento e segurança aos EUA e outros governos, e também a várias corporações multinacionais, dentre as quais a Monsanto, a Chevron, a Walt Disney Company, as Royal Caribbean Cruise Lines e a bancos gigantes como o Deutsche Bank e o Barclays, segundo documentos obtidos por The Nation.
O trabalho da empresa Blackwater para empresas e agências governamentais foi contratado através de duas empresas que pertencem ao fundador e proprietário da Blackwater, Erik Prince: as empresas Total Intelligence Solutions e o Centro de Pesquisas sobre Terrorismo [ing. Terrorism Research Center (TRC)]. Prince aparece como presidente de ambas em documentos internos das empresas, o que mostra que as empresas funcioanam em rede, com conexões altamente coordenadas. Funcionários da Total Intelligence, do TRC e da Blackwater (que trocou de nome recentemente para Xe Services), procurados várias vezes para comentar esse artigo, não responderam.
Um dos detalhes mais incendiários daqueles documentos é que a Blackwater, através da empresa Total Intelligence, trabalhou para converter-se em “braço de inteligência” da empresa Monsanto, tendo-se oferecido para fornecer agentes a serem infiltrados nos grupos de ativismo contra a multinacional de biotecnologia.
Dentre os consumidores governamentais de serviços de inteligência e de treinamento antiterrorismo fornecidos pelas empresas de Prince, citam-se o Reino da Jordânia, o exército do Canadá, a polícia holandesa e várias bases militares dos EUA, como o Fort Bragg, sede do Comando Unificado das Operações Especiais [ing. Joint Special Operations Command (JSOC), e o Fort Huachuca, onde são treinados os interrogadores militares, segundo os mesmos documentos. Além disso, a Blackwater trabalhou através de suas subempresas para a Agência de Inteligência da Defesa, a Agência de Redução de Riscos da Defesa e o Comando Militar dos EUA na Europa.
Dia 3/9, o New York Times noticiou que a Blackwater “criou uma rede de mais de 30 empresas coligadas ou subsidiárias em parte para obter milhões de dólares em contratos com o governo dos EUA, depois de a empresa-mãe ter-se tornado alvo de fortes críticas por má conduta no Iraque.”
Documentos aos quais The Nation teve acesso revelam detalhes ainda inéditos de várias dessas empresas e abrem uma rara brecha pela qual se pode afinal começar a conhecer as muito sensíveis operações de segurança e inteligência que a Blackwater realiza para várias poderosas corporações e agências governamentais. Os novos fatos também lançam luz sobre o papel chave que desempenham no processo vários ex-altos funcionários da CIA, que se desligaram da agência e passaram a trabalhar para a Blackwater.
O coordenador dos negócios secretos entre a Blackwater e a CIA, ex-oficial paramilitar da Agência Enrique "Ric" Prado, construiu uma rede global de agentes estrangeiros, que lhe garante “negabilidade total” [ing. total deniability], oferecida como vantagem extra aos potenciais clientes da Blackwater – segundo documentos da própria empresa.
A CIA sempre usou forças locais em ações extralegais ou para encobrir o envolvimento do governo dos EUA em operações que tivessem de ser mantidas à margem de qualquer escrutínio da lei. Em alguns casos, essas forças locais “com alta negabilidade” sequer souberam para quem trabalhavam. Prado e Prince construíram uma dessas redes de estrangeiros durante o tempo em que a Blackwater esteve no centro do programa de “assassinatos seletivos” da CIA, iniciado em 2004. Treinaram unidades especializadas em caçar suspeitos de terrorismo numa das propriedades de Prince na Virginia, para operar em plano global, quase sempre em operações conjuntas com agentes locais. Ex-alto funcionário da CIA declarou que uma das vantagens de usar agentes estrangeiros contratados pela Blackwater naquele tipo de operação seria que “ninguém gostaria de encontrar por lá impressões digitais de norte-americanos”.
Apesar de a rede ter sido originalmente estabelecida para ser usada em operações da CIA, os documentos aos quais The Nation teve acesso mostram que Prado a considerou comercialmente valiosa também para outras agências do governo.
Em e-mail enviado em outubro de 2007, em cuja linha de Assunto lê-se “Possível Oportunidade no DEA – Leia e Delete”, Prado escreveu a um executivo da empresa Total Intelligence, com informações para uma possível ‘entrada’ no Drug Enforcement Administration [agência de Saúde Pública e Controle de Medicamentos e Fármacos dos EUA]. O destinatário do e-mail era ex-funcionário, com 18 anos de trabalho na DEA e vasta rede de conexões dentro do governo, que acabava de ser admitido como executivo da empresa Total Intelligence. Prado explicava que a Blackwater tinha já constituída “uma rede global, em rápida expansão, de gente competente para qualquer tipo de serviço, de segurança em campo a boicote de operações em andamento”. E acrescentava: "São todos agentes locais [não norte-americanos], exceto alguns poucos (que são cidadãos norte-americanos no comando da operação, mas nunca vistos pelas ruas), de tal modo que já temos capacidade de negabilidade total, o que deve ser apresentado como plus valioso.”
O executivo respondeu a mensagem, sugerindo que “poderia haver interesse” nesses serviços; e sugeriu que “um dos melhores locais para começar pode ser a Divisão de Operações Especiais [ing. Special Operations Division, SOD], localizada em Chantilly, VA”, e deu o nome do agente especial a ser contatado. A divisão SOD é um comando secreto dentro do Departamento de Justiça dirigido pelo DEA. Opera como centro de comando e controle para algumas das operações mais sensíveis da luta antinarcóticos conduzidas pelo governo dos EUA. O executivo também disse a Prado que os attachés às embaixadas dos EUA no México, Bogotá, Colômbia, Bangkok, Tailândia, provavelmente também se interessariam em trabalhar com a rede de Prado. Não está ainda confirmado se essa rede foi efetivamente usada, nem quem a teria usado. Ex-empregado da Blackwater, que trabalhou no programa da empresa para a CIA, recusou-se a comentar o trabalho de Prado na Blackwater, alegando que seria informação sigilosa.
Em novembro de 2007, empregados das empresas de Prince desenvolveram uma cara estrutura de serviços (e preços) de segurança e inteligência a ser oferecida a empresas privadas e milionários. Um empregado escreveu que Prado tinha capacidade para “desenvolver infraestruturas” e “comandar atividades em campo e de segurança”. Segundo aquela “estrutura de serviços”, os clientes poderiam contratar Prado e outros empregados da Blackwater para operar nos EUA e em qualquer lugar do mundo: na América Latina, na África do Norte, em países francófonos, no Oriente Médio, na Europa, China, Rússia, no Japão e Sudeste da Ásia. Uma equipe de quatro membros chefiada por Prado para serviços de contravigilância nos EUA custa $33.600 por semana; “casas seguras” podem ser preparadas por $250 mil dólares, mais custos operacionais. E os mesmos serviços poderiam ser fornecidos em qualquer lugar do mundo. Por $5.000 por dia, os clientes poderiam contratar Prado ou outros dois ex-funcionários da CIA, Cofer Black e Robert Richer, para serviços de “representação” junto a “decididores” nacionais. Antes de trabalhar para a Blackwater, Black, veterano da CIA, com 28 anos de serviço, dirigiu o centro de contraterrorismo da agência; e Richer foi vice-diretor de operações (nem Black nem Richer trabalham atualmente na Blackwater).
Quando a Blackwater viu-se no foco da mídia, logo depois do massacre da Praça Níssur[2], Prado criou sua própria empresa, Constellation Consulting Group (CCG), ao que se sabe, levando consigo algumas das operações clandestinas da Blackwater com a CIA, embora se saiba também que continuou a manter laços íntimos com o ex-empregador. Em e-mail para um executivo da Total Intelligence, em fevereiro de 2008, Prado escreveu que “tivemos recentemente importantes sucessos no desenvolvimento de capacidades no Máli [África] que são de extremo interesse para nosso principal patrocinador e que em breve permitirão desencadear esforço substancial via-minha lojinha”; e pediu auxílio à equipe da Total Intelligence, para a análise “do problema do terrorismo no Norte do Máli/Nigéria”.
Em outubro de 2009, executivos da Blackwater enfrentaram uma crise, quando não conseguiram localizar uma Unidade de Telefone Seguro que funcionava na empresa, apesar de ser instrumento de uso exclusivo do governo dos EUA, usado pela CIA, pela Agência de Segurança Nacional e por outros serviços militares e de inteligência para comunicações sigilosas. Uma onda de e-mails voou em todas as direções das várias empresas do grupo Blackwater, para tentar localizar o aparelho. Um ex-funcionário da Blackwater respondeu que, dado que já deixara a empresa, “não é, de fato, problema meu”. Outro respondeu que “não tenho cachorro nessa briga”. Afinal, Prado interveio e distribuiu e-mails com ordens de “digam ao pessoal da OGA POC” – sigla, em inglês, para “Ponto de Contato da Outra Agência (=CIA) do Governo” [ing. Other Government Agency Point Of Contact].
Não se sabe que relacionamento há entre a empresa de CCG de Prado e a CIA. Texto inicialmente exibido na página da empresa na internet dizia que “os profissionais da CCG já comandaram operações em cinco continentes e provaram sua capacidade para atender às necessidades dos clientes mais exigentes”; dizia também que a empresa “tem competência para administrar contratos altamente secretos”. A CCG, lia-se naquele website, “está em posição única para fornecer serviços que nenhuma outra empresa oferece, e pode apresentar resultados obtidos nas áreas mais remotas e conseguidos com pouco ou nenhum auxílio externo". Dentre os serviços anunciados estavam “Inteligência e Contrainteligência (humana e eletrônica), Operações Militares Não-Convencionais, Operações Antidrogas, Serviços de Aviação, Inteligência Competitiva, Acesso a Áreas Restritas (...) e Treinamento Paramilitar.”
The Nation já noticiou operações da Blackwater para a CIA e o Alto Comando Militar dos EUA no Paquistão. Novos documentos revelam uma longa história de atividades da Blackwater no Paquistão. A ex-primeira-ministra do Paquistão Benazir Bhutto havia contratado serviços da empresa quando voltou ao Paquistão para a campanha eleitoral de 2008, segundo esses novos documentos. Em outubro de 2007, quando surgiram na imprensa notícias de que Bhutto contratara “segurança norte-americana”, Robert Richer, alto dirigente da Blackwater, escreveu aos executivos da empresa: “Temos de cuidar disso de vários ângulos. Se nosso nome aparecer, a reação da imprensa no Paquistão será considerável. E ainda teremos de avaliar as consequências no mundo muçulmano”. Richer escreveu que “temos de nos preparar para um comunicado de algum afiliado da Al-Qaida caso nosso nome apareça. Isso terá impacto no perfil de segurança.” Falta alguma palavra no texto do e-mail ou houve algum erro de digitação que não deixa claro, na mensagem, o que Richer queria dizer na referência a um comunicado da Al-Qaeda. Dois meses depois, Bhutto foi assassinada. Os dirigentes da Blackwater agendaram depois uma reunião com representantes da família Bhutto em Washington, em janeiro de 2008.
Durante um breve momento, pareceu que a abundância de provas de assassinatos de civis, de encobrimento de ações militares e a ausência absoluta de transparência denunciados em documentos vazados pela página WikiLeaks levariam a inquérito sério sobre a conduta dos norte-americanos no Afeganistão.
Através das empresas Total Intelligence e do Centro de Pesquisa sobre Terrorismo, a Blackwater também manteve negócios com grande número de corporações multinacionais. Segundo as comunicações internas da empresa Total Intelligence, a gigante de biotecnologia Monsanto – maior fornecedor mundial de sementes geneticamente modificadas – contratou a empresa em 2008-09. O relacionamento entre as empresas parece ter-se oficializado em janeiro de 2008, quando o presidente da Total Intelligence Cofer Black viajou a Zurique para encontrar-se com Kevin Wilson, gerente de segurança da Monsanto para questões globais.
Depois do encontro em Zurique, Black escreveu e-mails a outros executivos da Blackwater, inclusive a Prince e Prado, mensagens enviadas para os endereços de correio eletrônico da Blackwater. Black escreveu que Wilson “entende que podemos oferecer o que ele procura, legalmente, para proteger a marca Monsanto (...)”. Black acrescentou que Total Intelligence “vai-se desenvolver como braço de inteligência da Monsanto”. E observou também que a Monsanto se preocupava com ativistas da proteção aos animais, e que os dois haviam também discutido sobre como a Blackwater “poderia infiltrar gente para atuar legalmente nos grupos ativistas”. Black escreveu que os pagamentos iniciais à Total Intelligence sairiam do “generoso orçamento de cobertura” da Monsanto, mas adiante poderiam tornar-se rubrica permanente do orçamento anual da companhia. Estimou que o total do que a Total Intelligence receberia ficaria entre $100,000 e $500,000. Segundo os documentos, a Monsanto pagou à Total Intelligence $127,000 em 2008 e $105,000 em 2009.
Procurado por telefone e perguntado sobre o encontro com Black em Zurich, Wilson da Monsanto disse, inicialmente, que “Não vou discutir o assunto com você”. Depois, em e-mail ao jornal The Nation, Wilson confirmou que se encontrou com Black em Zurique, e que a Monsanto contratou a Total Intelligence em 2008 e continuou trabalhando com a empresa até o início de 2010. Negou que tivesse discutido com Black a infiltração de agentes nos grupos de defesa dos animais; disse que “essa discussão jamais aconteceu”. Disse também que a Total Intelligence só forneceu à Monsanto “informes sobre as atividades de grupos ou indivíduos que representavam risco para os empregados ou para operações da Monsanto em todo o mundo; para obter esses informes, a Total Intelligence monitorava a mídia local e outras fontes públicas de dados. As informações cobriam desde incidentes de terrorismo na Ásia ou sequestros na América Central, até o conteúdo escaneado de blogs de ativistas e websites”. Wilson afirmou que Black lhe dissera que a empresa Total Intelligence era “empresa completamente separada da Blackwater.”
A Monsanto não foi a única grande corporação a contratar os serviços da constelação de empresas que formam a Blackwater. A Walt Disney Company contratou a Total Intelligence e a TRC para fazer uma “avaliação de ameaças” que pesariam contra uma locação que estava em estudos para uma produção a ser filmada em Marrocos; em função desse contrato, os dois ex-CIA, Black e Richer, acionaram seus ex-contatos marroquinos em busca de informação. O trabalho seria “boa chance de impressionar a Disney”, escreveu um executivo da empressa. Não se sabe se a Disney ficou ou não muito impressionada; em 2009, a empresa pagou à Total Intelligence apenas $24,000.
A Total Intelligence e a TRC também prestaram assessoramento de inteligência sobre a China ao Deutsche Bank. “A ameaça representada pela contrainteligência técnica chinesa é das mais altas do mundo”, escreveu um analista da TRC, e acrescentou: “Muitos quartos de hotéis de quatro e cinco estrelas e restaurantes são monitorados 24 horas/dia com vídeo e áudio” pela inteligência chinesa. Disse também que computadores, PDAs [ing. Personal digital assistant] e dispositivos eletrônicos em geral deixados em quartos de hotéis corriam o risco de ser clonados. Telefones celulares que se servissem de redes chinesas, escreveu o analista, podiam ter microfones ativados remotamente, o que os converteria em aparelhos de escuta permanente. Concluiu que os representantes do Deutsche Bank “não deveriam trazer qualquer equipamento eletrônico para a China”. Sobre agentes femininas chinesas, o analista escreveu que “se você, no seu país de origem, não é do tipo que atrai mulheres por onde passa, desconfie se, na China, as mulheres se mostrarem muito interessadas”. Por esses e outros serviços, o banco pagou à empresa Total Intelligence $70,000, em 2009.
A TRC também vasculhou a vida passada de empresários líbios e sauditas para o Banco Barclays, gigante inglês. Em fevereiro de 2008, um executivo da TRC escreveu por e-mail para Prado e Richer revelando que o banco Barclays encomendara à TRC e à Total Intelligence levantamento sobre o passado dos principais executivos do Grupo Binladin Saudita [ing. Saudi Binladin Group (SBG)] e sobre possíveis “associações/conexões com Ossama bin Ladin.” Nesse relatório, Richer escreveu que o presidente do SBG, Bakr Mohammed bin Laden, “tem boa reputação nos serviços de inteligência árabe e também ocidental” por ter cooperado na caçada a Osama bin Laden. Outro executivo do SBG, Sheikh Saleh bin Laden, é descrito por Richer como “empresário muito inteligente”, conhecido por “operar com plena transparência para os serviços sauditas de inteligência” e considerado “o mais veemente de toda a família estendida BL, nas críticas às ações e crenças de UBL.”
Em agosto, a Blackwater e o Departamento de Estado decidiram por acordo de 42 milhões um processo por centenas de violações das leis norte-americanas de controle de exportações. Dentre as violações citadas estava a exportação não autorizada de dados técnicos para o exército canadense. Simultaneamente, os negócios entre a Blackwater e funcionários da Jordânia também geraram processo por crime federal contra cinco ex altos executivos da Blackwater. O governo da Jordânia pagou à Total Intelligence mais de $1,6 milhão, em 2009.
Parte do treinamento que a Blackwater/TRC ofereceu a militares canadenses foi feito no curso “Mirror Image” [imagem-espelho], curso de imersão, no qual os agentes em treinamento vivem num simulacro de célula da Al-Qaeda, com o objetivo de entender o pensamento e a cultura dos guerrilheiros. Literatura distribuída pela companhia descreve o treinamento como “programa de treinamento em classe e em campo, construído para simular as técnicas de recrutamento e trainamento dos terroristas, e suas táticas operacionais”. Documentos aos quais The Nation teve acesso mostram que, em março de 2009, a Blackwater/TRC gastou $6,500 na compra de roupas nas tribos locais no Afeganistão, além de sortido “material de propaganda – pôsteres, mapas do Paquistão etc.” para o curso “Mirror Image”, e mais $9,500 em material semelhante, em janeiro passado, no Paquistão e no Afeganistão.
Segundo documentos internos, só em 2009 o exército do Canadá pagou à Blackwater mais de $1,6 milhão através da TRC. Um oficial do exército canadense elogiou o programa, em carta enviada ao Centro, dizendo que “ofereceu aos nossos soldados rara e válida consciência social e treinamento específico para missões no Afeganistão”; e acrescentou que “foi programa de treinamento muito efetivo e operacionalmente atualizado, benéfico para nossa missão”.
No verão passado, Erik Prince pôs a Blackwater à venda e mudou-se para Abu Dhábi, capital dos Emirados Árabes Unidos. Mas não parece estar abandonando o sombrio mundo da segurança & inteligência. Diz que se mudou para Abu Dhábi por causa da “grande proximidade com oportunidades potenciais em todo o Oriente Médio, e excelente logística”, além “de um clima amigável para negócios, impostos baixos ou inexistentes, livre comércio e nada de advogados incontroláveis e sindicatos”. Os Emirados Árabes, além do mais, não têm tratado de extradição com os EUA.
[1] No original "capacity of total deniability". É uma das “expressões nebulosas” de que fala Steven Pinker em Do Que É Feito O Pensamento. A língua como janela para a mente humana (São Paulo: Companhia das Letras, 2008). Pode-se traduzir, tentativamente, como “capacidade de negabilidade total”. A expressão está relacionada ao conceito de “negabilidade plausível”: diz-se de acusação que não possa ser provada e cuja negação possa ser plausivelmente aceita. No jargão corrente das comunidades de espionagem, a expressão tem sido usada nos casos em que a ação é premeditada, para não deixar pistas ou rastros. Exemplos de casos em que a negabilidade (nem sempre plausível) pode vir a beneficiar criminosos são, por exemplo, meios de tortura como descargas elétricas e quase-afogamento, que não deixam marcas no corpo, o que impede que se comprove a tortura; chantagem, ameaças e intimidação de jornalistas e testemunhas também são meios com alta “capacidade de negabilidade”, dentre outros.
O livro de Pinker pode ser lido em
[2] 12/7/2007. 18 civis foram mortos a tiros, entre os quais dois jornalistas que estavam a
serviço da Agência Reuters. A operação foi filmada pela câmera instalada na mira de uma metralhadora do helicóptero Apache. O filme foi enviado por alguém que se identificou como “Crazyhorse 15” ao site WikiLeaks e inclui áudio de comentários trocados entre o helicóptero e soldados no solo. Pode ser visto, sob o título “Collateral Murder” em http://wikileaks.org/wiki/Collateral_Murder,_5_Apr_2010  .
         Hoje, 21/9/2010, o jornal inglês Guardian traz matéria sobre o julgamento de dois dos empregados da Blackwater, acusados por aqueles assassinatos (“Cowboy Contractors: Armed and Dangerous”, Guardian (em inglês) em http://www.guardian.co.uk/commentisfree/cifamerica/2010/sep/17/afghanistan-iraq