quinta-feira, junho 20, 2019

COMO FALOU LULA, NADA DE NOVO. MAS AGORA TEM AS PROVAS. COMO NÃO ACONTECE NADA, ENTÃO PODEMOS DEDUZIR QUE A MÍDIA, A LAVAJATO E O STF ESTÃO TESTANDO O PAÍS. SE COLAR, VAMOS PARA A TEOCRACIA DAS RATAZANAS...

 

Nova bomba da Vaza Jato revela que Moro mentiu e cometeu outro crime contra Lula

A parceria entre o The Intercept e o jornalista Reinaldo Azevedo trouxe mais uma bomba: a revelação de que o ex-juiz Sergio Moro, que atuou como chefe da acusação contra Lula, e não como magistrado imparcial, decidiu que procuradores deveriam interrogar o ex-presidente, em mais um crime que terá que levar à anulação do processo

Glenn desafia: alguém vai querer prender Reinaldo Azevedo?


Ao comentar a primeira parceria jornalística do Intercept em torno da Vaza Jato, o jornalista Glenn Greenwald cutucou os setores autoritários do governo Bolsonaro, que defendem sua prisão para blindar Sergio Moro e Deltan Dallagnol: alguém vai...

Bolsonaro atropela Congresso e comemora: quem manda sou eu


Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quinta-feira que assume o bônus e ônus sobre o processo de demarcação de terras indígenas no país; ele reverteu decisão do Congresso e colocou demarcação de novo na Agricultura; "quem manda aqui sou eu",...


Procuradores estão destruindo provas que os incriminam


"O teatro do absurdo do regime de exceção alcançou o apogeu", diz o colunista Jeferson Miola, após o escândalos da Lava Jato envolvendo Sérgio Moro e o MPF-PR; "Procuradores da república e juízes envolvidos em denúncias aterradoras, como práticas...


Nem precisou de tanques para Toffoli tremer: bastou um soco na mesa

"O soco que o general Heleno deu na mesa pela irritação com Lula "revelou o seu surpreendente desequilíbrio, até então bem disfarçado por uma aparente serenidade", diz o colunista Ribamar Fonseca....

sexta-feira, junho 14, 2019

#AOVIVO - Ex-presidente Lula concede entrevista para a TVT

Pepe Escobar: o Brasil na guerra entre EUA, China e Rússia

Para Frente Brasil Popular, mesmo o cidadão que não conta com um sindicato forte tem muitas formas de participar da paralisação contra a reforma da previdência. "As pessoas podem parar o comércio e os serviços de seu bairro, simplesmente não saindo de casa. Não marcando nenhum compromisso, não fazendo compras. Parece algo banal, mas a paralisação é fortalecida pelo 'fique em casa'", explicou o coordenador da Frente Brasil Popular (FBP) e da Central de Movimentos Populares (CMP) Raimundo Bonfim


Greve geral: população é orientada a ficar em casa

Mídia Ninja | ABr | Reuters
Para Frente Brasil Popular, mesmo o cidadão que não conta com um sindicato forte tem muitas formas de participar da paralisação contra a reforma da previdência. "As pessoas pode parar o comércio e os serviços de seu bairro, simplesmente não saindo de casa. Não marcando nenhum compromisso, não fazendo compras. Parece algo banal, mas a paralisação é fortalecida pelo 'fique em casa'", explicou o coordenador da Frente Brasil Popular (FBP) e da Central de Movimentos Populares (CMP) Raimundo Bonfim 

https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/396686/Greve-geral-popula%C3%A7%C3%A3o-%C3%A9-orientada-a-ficar-em-casa.htm
 

PAÍS MUDO, NÃO MUDA. GREVE GERAL!!!


Bom dia 247 (14.6.19): Brasil em transe, greve geral e Moro abandonado

General Villas Boas, um desserviço ao país

domingo, junho 09, 2019

#VAZAJATO DESMASCARADA - Produzidas a partir de arquivos enormes e inéditos – incluindo mensagens privadas, gravações em áudio, vídeos, fotos, documentos judiciais e outros itens – enviados por uma fonte anônima, as três reportagens revelam comportamentos antiéticos e transgressões que o Brasil e o mundo têm o direito de conhecer.



VEJA TUDO NOS LINKS:

https://theintercept.com/2019/06/09/editorial-chats-telegram-lava-jato-moro/

https://theintercept.com/2019/06/09/procuradores-tramaram-impedir-entrevista-lula/

https://theintercept.com/2019/06/09/dallagnol-duvidas-triplex-lula-telegram-petrobras/

https://theintercept.com/2019/06/09/chat-moro-deltan-telegram-lava-jato/

MAIS:

NOTA DA DEFESA DE LULA SOBRE PROVAS DE COMPLÔ DA LAVA JATO CONTRA LULA – Rede PT http://redept.org/blogosfera/index.php/2019/06/09/nota-da-defesa-de-lula-sobre-provas-de-complo-da-lava-jato-contra-lula/#.XP2etkBtQwU.whatsapp

ATENÇÃO - https://www.brasil247.com/pt/247/poder/396124/Lula-mensagens-comprovam-que-nem-Deltan-acredita-nas-acusa%C3%A7%C3%B5es-do-triplex.htm

ATENÇÃO - https://www.brasil247.com/pt/247/poder/396121/Mensagens-confirmam-que-Lava-Jato-fraudou-elei%C3%A7%C3%A3o-presidencial-de-2018.htm

ATENÇÃO - https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/396122/Mensagens-comprovam-que-Moro-agiu-fora-da-lei-contra-Lula.htm

ATENÇÃO - https://www.brasil247.com/pt/247/poder/396119/Greenwald-consegue-documentos-in%C3%A9ditos-sobre-Moro-e-Dallagnol-e-anuncia-a-VazaJato.htm

ATENÇÃO - https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/396125/Haddad-podemos-estar-diante-da-maior-fraude-da-hist%C3%B3ria-da-Rep%C3%BAblica.htm













Marx já previa a economia digital: é o extremo da técnica


A tão aclamada indústria 4.0 nada mais é que a digitalização geral da indústria, serviços, comércio e até mesmo das casas e pessoas

 

Por Wilton Cardoso

Comentário no post Por que a economia deve ser digital?
 
Eu sugiro que se mude a abordagem radicalmente. Nenhuma linha econômica conseguirá entender o fenômeno digital porque ele escapa ao econômico, na medida em que, no fim das contas não gera valor para a economia global, embora dê muito lucro para o monopólio que domina o mercado.
É preciso sair da economia política e partir para a crítica da economia política para entender, de fato, a era digital. Sim, estamos falando de Marx. O digital é o desenvolvimento extremo da técnica previsto por Marx, que multiplica a produtividade do trabalho à enésima potência. Uma vez feito o programa e pago o trabalhador/programador, praticamente não há mais custo de reprodução, distribuição e consumo da mercadoria (que talvez nem seja mais mercadoria). O mundo digital foi o primeiro a chegar no ponto de ruptura da contradição mais importante do capitalismo: o momento em que a técnica seria tão produtiva, exigindo tão pouco trabalho humano que o valor gerado na produção da mercadoria seria irrisório.
Por outras palavras, o mundo digital é incapaz de gerar lucro, a não ser para umas pouquíssimas empresas vencedoras e que se tornam monopolistas. Quem trabalha associado a elas deve se contentar a viver de migalhas, como, por exemplo,os motoristas de uber, a maioria absoluta de youtubers, blogueiros e twiteiros, e quase todos os webdesigners e programadores.
E isto é só começo, pois a tão aclamada indústria 4.0 nada mais é que a digitalização geral da indústria, serviços, comércio e até mesmo das casas e pessoas. As imposição das leis de flexibilização do trabalho, que é um fenômeno mundial, visa adaptar o trabalho e o trabalhador ao admirável mundo novo digital ou, por outras palavras, institucionalizar a precariedade e os rendimentos inconstantes num mercado que não consegue mais produzir valor e mais valor (lucro) na economia real, que seja suficiente para remunerar as pessoas além do limite de sobrevivência. Isto sem falar no número crescente de pessoas postas definitivamente para fora do mundo do trabalho, por serem inservíveis (supérfluas) para a produção de valor: o futuro se anuncia próspero de ambulantes e mendigos, e não só nas nações periféricas como o Brasil.

https://jornalggn.com.br/nova-economia/marx-ja-previa-a-economia-digital-e-o-extremo-da-tecnica-por-wilton-cardoso/

quinta-feira, junho 06, 2019

ESPECIAL - A íntegra da entrevista de Lula ao DCM e à Tutameia

“Lutando contra bandidos com bandidos... Bolsonaro sorriu para milícias ...

Moro e Guedes: as âncoras de Bolsonaro que afundaram

MARXISMO CULTURAL: ASSOCIAÇÕES PERIGOSAS #meteoro.doc

Testemunha acusa Moro de grampear advogados de Lula - O Brasil é um país de cara lambida. Não vai dar em nada.



Nota do PT sobre os grampos ilegais de Sérgio Moro
Os gravíssimos fatos revelados pela Folha mostram que as conversas telefônicas entre os advogados de Lula foram grampeadas ilegalmente por aqueles que o julgaram

PT Nacional

É criminosa e atenta contra as mais básicas conquistas da civilização a espionagem dos advogados do ex-presidente Lula, por parte do ex-juiz Sergio Moro, procuradores e policiais federais da Lava Jato.
Os gravíssimos fatos revelados hoje (06/06) pela Folha de S. Paulo mostram que as conversas telefônicas entre os advogados de Lula foram grampeadas ilegalmente e monitoradas em tempo real por aqueles que o acusaram e julgaram. Pelo menos 14 horas de conversas foram analisadas por agentes da PF, de acordo com o jornal.
O grampo autorizado por Moro violou frontalmente o Artigo 7º. do Estatuto da Advocacia, que garante a inviolabilidade da correspondência e das comunicações telefônicas de advogados no exercício da defesa.
A conduta do ex-juiz foi repreendida ainda em 2016 pelo ministro Teori Zavascki, ocasião em que Moro alegou ter cometido “um equívoco”. Agindo com absoluta má-fé e desobedecendo decisão do Supremo, Moro deixou de destruir as gravações conforme determinado. E sabe-se agora que serviram a uma condenação ilegal e injusta.
A utilização de informações obtidas ilegalmente sobre a estratégia da defesa deve produzir, na vigência dos estado de direito democrático, a anulação do processo contra Lula, que está preso sem ter cometido nenhum crime.
As ações criminosas do ex-juiz, dos procuradores e policiais da Lava Jato deveriam ter sido objeto de sanções disciplinares e penais. Estes agentes do Estado, no entanto, foram premiados com altos cargos do serviço público, o que demonstra a utilização política e eleitoral da Lava Jato.
Os graves fatos revelados hoje somam-se à lista de arbitrariedades e violações cometidas por Moro e pela Lava Jato, a pretexto de combater a corrupção: conduções coercitivas contrárias à lei, prisões sem fundamento, benefício a criminosos com objetivos políticos, o grampo da então presidenta da República e tantas outras aberrações.
O Brasil e o mundo já sabem o suficiente para exigir a anulação do processo contra Lula e o julgamento dos crimes cometidos contra sua liberdade. A História ainda vai revelar muito mais sobre esse vergonhoso capítulo que vivemos.
Lula Livre!
Comissão Executiva Nacional do PT

segunda-feira, maio 27, 2019

PARA SABER - Dicas do Dowbor (maio/2019)


Querids@s, estamos no meio de uma zona política, econômica e financeira. E estou sendo comedido. É tempo sem dúvida de enfrentar a desorganização geral e o entreguismo vergonhoso, o mal profundo que está sendo feito ao país, mas também de pensar de forma mais ampla. Na minha convicção, nenhum país pode funcionar com a desigualdade que temos. E estamos nos aproximando rapidamente de uma catástrofe ambiental generalizada. Temos de sair do raciocínio pendular entre privatização e estatização, da engrenagem do ódio, e difundir as pesquisas que abrem novos caminhos. Precisamos que muito mais gente entenda o que está acontecendo. Abaixo, mensagens que me parecem relevantes. E queria lembrar que o meu livro A Era do Capital Improdutivo está agora disponível também em 15 videos de cerca de 10 minutos cada (confira aqui). Não dá para deixar a economia na mão de economistas. O bolso é de todos nós.

1. Roosevelt Institute – New Rules for the 21st Century – 2019 – 77p.

Um choque impressionante de realismo caracteriza esta excelente síntese dos novos caminhos que os Estados Unidos precisam trilhar para que a economia volte a servir à sociedade, revertendo a tendência geral. Não se trata de “mais um estudo” de economia, e sim de uma sistematização dos principais desafios e das medidas a tomar. O eixo central do relatório está centrado no duplo movimento necessário: reduzir o poder das corporações, e resgatar o papel das políticas públicas. O Roosevelt Institute, a começar por Joseph Stiglitz, se caracteriza pela seriedade das suas pesquisas e o bom senso das propostas. 
http://dowbor.org/2019/04/roosevelt-institute-new-rules-for-the-21st-century-2019-77p.html/

2. Dowbor – Economia para quem? – Jornal dos Economistas – Corecon RJ e Sindecon-RJ – maio 2019/ n.357 – ISSN 1519-7387)

Aumentar a exclusão num país onde o eixo crítico estrutural é a desigualdade é muito mais que injusto, é burro. O que funciona é orientar a economia para o bem-estar da população. Isso não é populismo, é democracia econômica. O que os agentes efetivamente produtivos no país precisam não é mais discurso ideológico liberal ou neoliberal, é uma demanda forte e crédito barato. Ou seja, retomar as políticas sociais e os investimentos e reorientar o sistema financeiro para que fomente a economia, em vez de drená-la. https://dowbor.org/2019/04/dowbor-economia-para-quem-jornal-dos-economistas-corecon-rj-e-sindecon-rj-maio-2019-n-357-issn-1519-7387.html/

3. L. Dowbor – Our Global Mess – Ethical Markets – April 2019 – 6p

In case you haven’t noticed, our challenges are ridiculously simple. We are destroying this only planet we have, for the benefit of the happy few, and the resources to do something about it are lingering in tax havens and other speculative drains. As the global structural crisis deepens, we have to ensure our financial resources are used to promote technological change that will reduce the environmental impact, and to organize social and economic inclusion of billions of excluded. We have the money, we have the technologies, we know the problems and the solutions. The 2030 Agenda is explicit enough. But our global decision-making process is a mess. We do not only have the problems: we have a problem-solving capacity problem. http://dowbor.org/2019/05/l-dowbor-our-global-mess-ethical-markets-april-2019-6p.html/

4. Ellen Brown – Bank on the People Instead of Wall Street Parasites – Truthout – may 2019

Ellen Brown explicita o mecanismo que faz o governo dar dinheiro aos bancos para que emprestem para ele, dando então mais dinheiro aos bancos sob forma do serviço da dívida. É a ciranda financeira oficial, apropriação legal mas improdutiva dos nossos impostos. Ellen Brown é uma das melhores especialistas mundiais na luta pelo resgate do sistema financeiro. http://dowbor.org/2019/05/ellen-brown-bank-on-the-people-instead-of-wall-street-parasites-truthout-may-2019.html/

5. Mapa exibe devastação de milhões de hectares na floresta Amazônica – NG – maio 2019 – 2p.

Muito importante este balanço do recrudescimento do desmatamento da Amazônia. Em 2002 foram destruídos 2,8 milhões de hectares. Em 2010 o governo havia conseguido baixar para 400 mil, um desastre ainda mas um imenso avanço. Agora voltamos para 1,6 milhões, o governo Temer conseguiu rapidamente multiplicar o desmatamento por quatro. O Bolsonaro incorporou o meio-ambiente no Ministério da Agricultura. Abriu ainda mais a porteira, o agronegócio anda solto, o preço ambiental, social e econômico a pagar é imenso, e o prejuízo para a imagem deste governo irresponsável também. É criminoso. http://dowbor.org/2019/05/mapa-exibe-devastacao-de-milhoes-de-hectares-na-floresta-amazonica-ng-maio-2019-2p.html/
6. Sanders, Ocasio-Cortez want to cap credit card interest rates at 15 percent – The Washington Post – 2p.

Nos Estados Unidos estão escandalizados com os 21% ao ano que os bancos cobram de juros sobre cartão de crédito. Com razão, há dez anos eram 12%. No Brasil, é acima de 300%. Agiotagem legal. Proposta nos EUA é retomar a lei anti-agiotagem e limitar a 15% ao ano. http://dowbor.org/2019/05/sanders-ocasio-cortez-want-to-cap-credit-card-interest-rates-at-15-percent-the-washington-post-2p.html/

7. Ivo Lesbaupin – Paulo Guedes nos levará ao fundo do poço – Iser Assessoria – Maio 2019, 3p.

"Paulo Guedes nos levará ao fundo do poço" afirma Ivo Lesbaupin em excelente artigo. Sim, a verdade é bem simples. Confiram.
http://dowbor.org/2019/05/ivo-lesbaupin-paulo-guedes-nos-levara-ao-fundo-do-poco-iser-assessoria-maio-2019-3p.html/


8. Protesto de Medea Benjamin no Hudson Institute, Washington, DC - 1,5 min.

Os EUA baterem tambores de guerra não é novo. Para o Oriente Médio o conflito com o Irã seria mais uma tragédia na série que já produziram. Que pretextos vão inventar desta vez? A fala da ativista Medea Benjamin, co-fundadora do movimento feminista e pacifista Code Pink e do grupo de defasado comércio justo Global Exchange, é cheia de bom senso, vale a pena escutar e difundir. Aliás a Venezuela é aqui pertinho.  https://dowbor.org/2019/05/protesto-de-medea-benjamin-no-hudson-institute-washington-dc-15-min.html/

segunda-feira, maio 20, 2019

Cinema Secreto: Cinegnose: Black blocs, Chomsky e o não-acontecimento do "man...

É
óbvio e gritante que o compartilhamento “desavisado” (o capitão
supostamente nem lê o que compartilha) foi uma resposta aos protestos
bem-sucedidos dos estudantes nas ruas. Bolsonaro quer elevar o moral da
tropa e também colocar nas ruas e redes sociais suas milícias analógicas
e digitais.
E também que a única alternativa para a esquerda para furar a armadilha do dilema midiático na guerra semiótica criptografada é ocupar as ruas numa escalada crescente, até tornar o País, aí sim, realmente ingovernável.
Desde
que sofreu controversa facada na campanha eleitoral, a guerra semiótica
de Bolsonaro tem como meta fugir de qualquer debate político-econômico e
colocá-lo sempre no campo conspiratório e moralista. Criar
deliberadamente polêmicas, dissonâncias, crises e, através da estratégia
do dilema midiático, convocar mídia e oposição para jogar os holofotes
em Bolsonaro. Seja como herói lacrador e mito ou simplesmente como “boi
de piranha”.
 
Esse
é o único papel que um deputado do baixo clero poderia assumir: emissor
de um discurso monofásico, repetitivo, que emula o discurso de
extrema-direita de Donald Trump. Um ruído insuportável demais para um
linguista como Chomsky, fascinado pelas potencialidades infinitas da
linguagem.




Cinema Secreto: Cinegnose: Black blocs, Chomsky e o não-acontecimento do "man...: Cadê os black blocs?  De 2013 a 2016, em toda manifestação de rua, lá estavam eles fazendo poses épicas para câmera e cinegrafistas em ...

De onde nasceu o manifesto de Bolsonaro

Altman: impeachment é o jogo da direita

quinta-feira, maio 09, 2019

As Forças Armadas perderam a serventia!

O passo final do governo Bolsonaro: as disputas com os militares - Parece um movimento por aproximação. Vamos avacalhar e agora já tem uma insinuação de corrupção. O script do clã Bolsonaro cantado lá dos EUA pelo Olavo parece claro para a formatação de um golpe sanguinário no sentido clássico, usando inclusive as milícias com seus esquadrões da morte. O Brasil vai conseguir resistir e virar o jogo?


Carlos Bolsonaro x General Santos Cruz: mais um capítulo de uma guerra suja

Uma mensagem que circulava em grupos de Whatsapp de aliados de Olavo de Carvalho foi divulgada, indicando que Santos Cruz estaria envolvido em renovação de contrato da Apex com o Sindicato da Indústria Audiovisual de São Paulo - https://www.revistaforum.com.br/carlos-bolsonaro-x-general-santos-cruz-mais-um-capitulo-de-uma-guerra-suja/

Há um golpe em andamento - Faltou fazer a ligação dos Bolsonaros e Olavetes com as agências americanas, o deep state. Estão apenas seguindo um script com a garantia da grana e da costa quente. Os americanos não querem mais correr o risco de se formar nas forças armadas um núcleo nacionalista que crie algum obstáculo para a agenda neoliberal. A ordem é avacalhar geral.

quarta-feira, maio 01, 2019

1º DE MAIO COM INDICATIVO DE GREVE GERAL - LEVANTA BRASIL - FORA BOLSONARO





Pepe Escobar explica a demência global - MUITO IMPORTANTE - VEJA AGORA



                       



LEIA TAMBÉM: https://oempastelador.blogspot.com/2019/05/esquenta-guerra-hibrida-dos-eua-contra.html                                                                                                                                                                      

sexta-feira, abril 26, 2019

Ninguém espere nada da justiça brasileira. A situação de Lula é como a de Mandela na África do Sul. Mandela ficou 28 anos preso e só foi libertado quando o regime do Apartheid caiu. Lula só sai se o GOLPE for derrotado.


No dia 21 de Março de 1960, ocorreu no bairro de Sharpeville, na cidade de Johanesburgo, na África do Sul, um protesto, realizado pelo Congresso Pan-Africano. O protesto pregava contra a Lei do Passe, que obrigava os negros da África do Sul a usarem uma caderneta na qual estava escrito aonde eles poderiam ir.

Jornal GGN – Menos de 24 horas após o Superior Tribunal de Justiça reduzir a pena de Lula no caso triplex, o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Luiz Antonio Bonat, fez o processo do sítio de Atibaia andar rumo ao TRF-4.
Pela decisão do STJ, Lula tem direito a migrar de regime prisional, do fechado para o semiaberto, em setembro de 2019. Mas se o TRF-4 condená-lo em segunda instância na ação do sítio de Atibaia, essa perspectiva será frustrada. É dentro desse contexto que se dá a movimentação de Bonat.
O juiz de Curitiba deu prazo de 8 dias para a defesa de Lula se manifestar a respeito da condenação imposta pela juiza substituta, Gabriela Hardt. Copiando passagens da sentença de Sergio Moro no caso triplex, a magistrada condenou o ex-presidente a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo a propriedade no interior de São Paulo.

https://jornalggn.com.br/noticia/em-menos-de-24h-apos-reducao-da-pena-de-lula-juiz-de-curitiba-avanca-com-caso-atibaia/

Sem estatal o Brasil não vai crescer

"Moro é indigno, medíocre e lamentável". Resposta de ex-1º Ministro de P...

quarta-feira, abril 24, 2019

CERTEIRA - O neoliberalismo degradou tudo!



O desabafo é da filósofa Marilena Chauí. Em palestra na Casa do Saber, ela descreve as transformações no capitalismo que levaram à devastação de países, ao encolhimento do espaço público, à precarização e fragmentação do trabalho e ao culto da ideia do “empresário de si mesmo” –e outras tantas mudanças que acabam servindo para apunhalar o coração da democracia.

“Desde a maternidade até a entrada no mercado de trabalho, o indivíduo é treinado para ser um investimento bem-sucedido. Como consequência disso, decorre, de um lado, o surgimento de uma subjetividade narcisista, portanto, propensa à depressão. O narcisismo produz a depressão. E não é por acaso que a depressão é a doença da sociedade contemporânea.

“E, de outro, a enculcação da culpa naqueles que não vencem a competição, desencadeando ódios, ressentimentos e violências de todo tipo, particularmente contra imigrantes, migrantes, negros, índios, mendigos, LGBT, destroçando a percepção de si como membro ou parte de uma classe social e destruindo formas de solidariedade, desencadeando práticas fascistas de extermínio”, afirma. - LEIA TUDO AQUI https://tutameia.jor.br/chaui-neoliberalismo-gera-odio-e-violencia/


terça-feira, abril 16, 2019

Você já viu algum ricaço engarrafado embaixo de algum viaduto?


Sindicato dos Engenheiros debate por que pontes, viadutos, prédios e barragens estão ruindo no Brasil https://www.viomundo.com.br/voce-escreve/sindicato-dos-engenheiros-debate-por-que-pontes-viadutos-predios-e-barragens-estao-ruindo-no-brasil.html

Não é fatalidade. O capitalismo de DESASTRE como alguns chamam o capitalismo do arrocho, o neoliberalismo, vive de parasitar os trabalhadores. Só o trabalho humano produz riqueza. E só o trabalhador consciente e organizado pode acabar com o roubo da riqueza que ele produz.

Você já viu algum ricaço engarrafado embaixo de algum viaduto? Eles nem pisam mais no chão. Andam de jatinhos e helicópteros que custam o arrocho da sua vida. E aí, para te convencer a aceitar a tua precarização, o 1% que também é dono da mídia inventa o medo da crise. Leia o livro, veja o filme: A Doutrina do Choque.


https://vimeo.com/26773488 - A DOUTRINA DO CHOQUE

O relatório do Senado que mostrou que não há deficit na Previdência

Documento produzido no final de 2017 esclareceu com precisão as receitas e despesas do sistema, bem como todos os desvios de recursos

Conforme concluiu a CPI do Senado sobre a Previdência Social brasileira, não há deficit, pelo contrário, há superávit e grandes devedores que não são devidamente cobrados pela Procuradoria da Fazenda Nacional. A consequência previsível da tal “reforma da Previdência” que os banqueiros tanto querem será o aumento da imoral desigualdade social existente no país. Se for para fazer alguma alteração nas regras da Previdência Social só se for para corrigir plenamente as aposentadorias e pensões.

Leia tudo aqui:

https://jornalggn.com.br/previdencia-social/o-relatorio-do-senado-que-mostrou-que-nao-ha-deficit-na-previdencia/

domingo, abril 14, 2019

UM TEXTO DE 2012, MAS AINDA BOM DE LER: pequenas “dobradiças felizes” da estrutura militar e do poder global dos Estados Unidos.

O capitalismo feliz


A história do desenvolvimento capitalista dos séculos XIX e XX registra a existência de alguns países com altos níveis de desenvolvimento, riqueza e qualidade de vida, e com baixa propensão nacional expansiva ou imperialista. Como é o caso das ex-colônias britânicas, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, e dos países nórdicos, Suécia, Dinamarca, Noruega e Finlândia. Todos apresentam taxas de crescimento alta, constante e convergente, desde 1870, só inferior a da Argentina, até a 1º Guerra Mundial. Hoje são economias industrializadas, especializadas e sofisticadas; a Noruega tem o 3º maior renda per capita, e o maior índice IDH (0.943), do mundo; a Austrália tem a 5º renda per capita, e o 2º melhor IDH do mundo (0, 929); e quase todos tem uma renda média per capita entre 50 e 60 mil dólares anuais. A Noruega é considerada hoje o país mais rico do mundo, em “reservas per capita”, e foi considerada pela ONU, em 2009, como “o melhor país do mundo para se viver”. E a Dinamarca já foi classificada – entre 2006 e 2008 - como “o lugar mais feliz do mundo”, e o segundo país mais pacífico da terra, depois da Nova Zelândia, e ao lado da Noruega.

Canadá, Austrália e Nova Zelândia foram colônias de povoamento da Inglaterra, durante o século XIX, e depois se transformaram em Domínios da Coroa Britânica, até depois da 2º Guerra Mundial. Mas até hoje são nações ou reinos independentes que fazem parte Commonwealth, e mantém o monarca inglês como seu chefe de estado. Como colônias e domínios funcionaram sempre como periferia da economia inglesa, mesmo depois de iniciado seu processo de industrialização, mantendo-se – em média - a participação do capital inglês, em até 2/3 da formação bruta de capita destes três países. E todos eles estabeleceram relações análogas com a economia norte-americana, depois do fim da Segunda Guerra. Neste século e meio de história, o Canadá – como caso exemplar – esteve ao lado da GB e dos EUA na 1º e 2 º Guerras Mundiais, alem de participar Guerra dos Boers e da Guerra da Coréia e de ser um dos membros fundadores da OTAN, em 1949. Participou das Guerras do Golfo, do Iraque, do Afeganistão e da Líbia, e participa diretamente do sistema de defesa aeroespacial norte-americano. E o mesmo aconteceu, em quase todos os casos, com a Austrália e a Nova Zelândia.

Por outro lado, os países nórdicos foram expansivos, e a Suécia em particular, foi um grande império dominante, dentro da Europa, até o Século XVIII. Mas depois de sua derrota para a Rússia, em 1720, e depois da sua submissão dentro da hierarquia de poder europeia, os estados nórdicos se transformaram em pequenos países, com baixa densidade demográfica e alta dotação de recursos naturais, funcionando como pedaços especializados e cada vez mais sofisticados do sistema produtivo europeu. A Suécia ficou famosa pelo “sucesso” de sua política econômica anticíclica ou “keynesianas”, depois da crise de 1929, mas de fato logrou superar os efeitos da crise graças à suas condição de sócia econômica, e fornecedora de aço e equipamentos para a máquina de guerra nazista, que também ocupou a Dinamarca e exerceu grande influencia sobre a região, durante toda a Segunda Guerra Mundial. Depois da guerra, a Dinamarca e a Noruega se tornaram membros da OTAN, e a Dinamarca segue sendo uma passagem estratégica para o controle do mar Báltico.

Por sua vez, a Suécia participou das Guerras do Kosovo e do Afeganistão, e foi fornecedora de armamentos para as forças anglo-saxônicas, na Guerra do Iraque. Por último, a Finlândia, que fez parte da Suécia, até 1808, e da Rússia, até 1917, acabou ocupando um lugar fundamental dentro da Guerra Fria, até 1991, e ainda ocupa uma posição estratégica até hoje, no controle da Bahia da Finlândia, e da própria Rússia.

Por tudo isto, apesar de que estes países tenham origens e trajetórias diferentes, é possível identificar algumas coisas que eles têm em comum:

i. São pequenos ou tem uma densidade demográfica muito baixa

ii. Tem excelente dotação de recursos, alimentares, minerais ou energéticos.

iii. Todos ocupam posições decisivas no tabuleiro geopolítico mundial.

iv. E todos se especializaram em serviços ou setores industriais de alta tecnologia, e em alguns casos, dentro da industria militar.

Alguns diriam que se trata de um caso típico de “desenvolvimento a convite”, mas isto quer dizer tudo e nada ao mesmo tempo. O fundamental é que o sucesso econômico destes países não se explica por si mesmo, porque desde o século XIX, os “domínios” operaram como “fronteiras de expansão’ do “território econômico” inglês, e como bases militares e navais do Império Britânico. E os países nórdicos, depois que foram submetidos, se transformaram em satélites especializados do sistema de produção, e do poder expansivo europeu. E hoje, finalmente, todos estes sete países operam como pequenas “dobradiças felizes” da estrutura militar e do poder global dos Estados Unidos.

sexta-feira, abril 12, 2019

ASSANGE, MESMO PRESO, DÁ UMA LIVRADA NA MÍDIA E NO SISTEMA PODRE DO OCIDENTE



O livro que Assange carregava nas mãos e sua mensagem ao mundo

247 - No momento em que foi preso e arrastado pela polícia inglesa da embaixada equatoriana nesta quinta-feira (11), em Londres, trazia um livro na mão. O gesto foi uma mensagem ao mundo sobre os verdadeiros autores de sua prisão ilegal: History of the National Security State (A História do Estado de Segurança Nacional), de Gore Vidal, um livro sobre o complexo industrial-militar que comanda os Estados Unidos.
Segundo Pepe Escobar, em entrevista ao Bom Dia da TV 247 nesta sexta-feira, foi um "lance sensacional e sofisticado" de Assange: "Ele fez questão de mostrar o livro porque sabia que todo mundo ia focar o livro, para dar o 'big picture', o grande quadro da prisão dele". Segundo Leonardo Attuch, com o gesto, Assange transformou sua prisão num "ato político" - assista à conversa entre Escobar e Arttuch ao final.
No livro The National Security State, de 1988, Gore Vidal discute com o editor Paul Jay “os eventos históricos que levaram ao estabelecimento do complexo industrial-militar e a cultura que deu origem à ‘Presidência Imperialista'”. A expressão “complexo industrial-militar” foi usada pela primeira vez pelo Presidente Dwight Eisenhower e é utilizada para denunciar o suposto poder oculto das forças armadas e da indústria militar na política americana.
Assange ficou asilado na embaixada do Equador em Londres por sete anos, até a prisão nesta quinta-feira. As imagens da prisão, feitas apenas pela rede russa RT mostraram-no de barba comprida, alquebrada e com o livro de Gore Vidal nas mãos.

https://www.brasil247.com/pt/247/mundo/389999/O-livro-que-Assange-carregava-nas-m%C3%A3os-e-sua-mensagem-ao-mundo.htm

Bom dia 247, com Pepe Escobar (12.4.19): A verdadeira história da prisão...

#AOVIVO - 20 Minutos Internacional: por que Julian Assange foi preso? A importância dos vazamentos do Wikileaks. A denúncia do imperialismo norte-americano. As acusações frágeis de estupro na Suécia. O refúgio na embaixada do Equador em Londres. Por que Lula defendeu Assange. A traição de Lenín Moreno. Para onde vai Assange?

quarta-feira, abril 10, 2019

QUANDO ESSE GOLPE FINALMENTE FOR DERROTADO, NINGUÉM VENHA FALAR EM ANISTIA



O infortúnio da família do ex-presidente é a desgraça de um país à deriva, onde o pobre é o alvo


“Eu não posso aceitar que meu pai esteja preso por causa de um apartamento que a gente nunca foi dono, nunca usou, nunca teve as chaves. Eu sei a verdade desta história, fui nesse apartamento com a minha mãe para ver se ela queria comprar. Se quisesse, poderia ter comprado, tinha condição para isso. O fato é esse. Mas aí inventaram uma mentira absurda, e o prenderam. O que eles não entendem é que o Lula, além de ser um líder político, é o meu pai e dos meus irmãos, avô dos meus filhos e sobrinhos, o bisavô da Analua. Nós sofremos muito com isso. Ele tem 73 anos e está numa solitária por um crime que não cometeu. E nós acabamos presos com ele.”

O depoimento, a CartaCapital, é de Fábio Luís Lula da Silva. O leitor há de se recordar do Lulinha. Bem antes da mamadeira de piroca, ainda no advento das fake news, o filho do ex-presidente Lula era “o dono da Friboi”, mentira deslavada que por vezes incluía a posse da Oi, além de um avião de 50 milhões de dólares. “A perseguição ao meu pai se estende a nós. Perdemos minha mãe porque ela não aguentou isso. No passado, diziam que o Lula morava no Morumbi e não na nossa casa em São Bernardo. Éramos crianças, e crescemos ouvindo essas mentiras sobre nós, uma loucura. Eu mesmo já fui dono da Friboi, né? Hoje soa engraçado, mas aquilo foi um verdadeiro inferno… Meu pai nunca se preocupou em juntar dinheiro, tanto que mora na mesma casa desde os anos 80. Agora está preso por um crime que nunca cometeu. É revoltante, uma tristeza diária não convivermos com ele.”



A tragédia da família Silva é literal e metafórica. Depois de um ano da prisão política do ex-presidente, que aniversariou no domingo 7, os Lula da Silva comem o pão que Sérgio Moro amassou. O juiz tirou do páreo o candidato favorito à Presidência e, a reafirmar nossa vocação bananeira, ascendeu-se ao poder como ministro do governo que ajudou a eleger. Lula, por seu lado, cumpre pena de 12 anos e um mês numa solitária na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, encalacrado com sentenças e processos que fazem de Kafka literatura infantil.
Durante esse período, o ex-presidente perdeu o irmão Vavá, morto aos 79 anos, e seu neto Arthur, 7, vítima de infecção bacteriana. Filhos e noras fecharam-se em casa, assombrados por problemas financeiros e de saúde, colhidos pelo luto e o medo da violência física, acossados por buscas e apreensões. Metaforicamente, os Silva são também o povão, tamanha a presença do sobrenome na base da pirâmide. No contexto atual, a tragédia de um é a tragédia do outro – ao se aprisionar o Silva que estaria no topo, elegeram-se os Silva da base como o alvo a ser abatido.
Desde a morte de dona Marisa, filhos e noras de Lula ficaram traumatizados pelo infortúnio e a perseguição. “Quem acompanha de perto sabe a dificuldade que essas pessoas têm”, diz Paulo Okamoto, ex-metalúrgico responsável pelo Instituto Lula e um amigo do ex-presidente desde os tempos do sindicato em São Bernardo do Campo. “Não conseguem trabalhar, não têm tranquilidade para estudar, os netos são hostilizados na escola. Ao condenar o Lula, condenaram a família. Deviam sair do Brasil, mas quem vai fazer isso com um pai na cadeia?”
Tampouco teriam condição para isso, já que atravessam sérias dificuldades financeiras. Estão com os negócios à míngua ou tecnicamente desempregados, à exceção da filha Lurian e do filho Luiz Cláudio, que acaba de assumir um posto de assessoria no gabinete do deputado estadual por São Paulo Emídio de Souza, do PT. Na terça-feira passada, Emídio foi instado a dar explicações à imprensa a respeito de sua escolha, e Luiz precisou esquivar-se dos repórteres. Vai ganhar 6 mil reais por mês. “Que empresário dará emprego a esse pessoal?”, pergunta-se Okamoto. “É sempre a mesma história: ‘Mas os filhos do Lula são ricos, por que estão trabalhando aqui?'”
O pedagogo Marcos, filho mais velho, cuida de um pequeno mercadinho e está tentando montar uma distribuidora de carvão. Depois da morte de dona Marisa, mudou-se com a família para o interior de São Paulo, disposto a refazer a vida. Mas, num episódio nunca esclarecido pelas autoridades, teve a nova casa invadida pela polícia sob o argumento de que buscavam desmantelar uma quadrilha de tráfico de drogas. Levaram computadores, devolvidos mais tarde. Nada foi encontrado.
Desde então, ele e a mulher lutam para superar o trauma, transformado em doença. Todos os outros filhos foram alvos de buscas e apreensões que reviraram imóveis, recolheram máquinas e documentos. O neto Arthur, filho de Sandro e Marlene, testemunhou a ação quando os policiais foram à casa da família. Não há notícia de que algo de suspeito tenha sido apanhado em qualquer uma das operações. O ipad de Arthur, levado do apartamento de Lula, jamais foi devolvido. Desse processo, Sandro herdou uma síndrome do pânico, hoje sob melhor controle.
Fábio Luís, o Lulinha, é um dos donos da PlayTV, um canal por assinatura que veicula informações sobre música, filmes, animes e jogos de computador. Antes, firmara parceria com a Oi para produção de conteúdo jovem para telefones celulares. De “sócio” da empresa nesse empreendimento, foi catapultado pelos antipetistas a “dono da Oi”. Fosse verdade, seria um grande case de fracasso, visto que o dono da Oi não consegue mais acesso a empresários capazes de veicular seus reclames no canal.
“Tudo que se relaciona a Lula e ao PT ganhou a marca de uma grande organização criminosa”, diz Okamoto. “A Receita passou a fiscalizar em minúcia e aplicar sanções absurdas. O próprio instituto, por exemplo, foi multado em 15 milhões de reais por desvio de função, mas nos últimos anos arrecadamos uma média de 5 milhões por ano. Como vamos pagar isso? Todas as empresas dos filhos do Lula foram investigadas por tráfico de influência. Se não encontram nada, acabam achando algum problema de gestão, muitas vezes erros que a gente comete sem nem saber que é proibido. Isso foi minando os negócios.” O filho Luiz Cláudio, que tentou montar uma liga de futebol americano no Brasil, foi denunciado por tráfico de influência pela Operação Zelotes. É réu em um processo e denunciado em outro.
Na cadeia há um ano, Lula não esmorece. “Qualquer pessoa que comete um crime e sabe que cometeu de alguma forma se entrega e apenas torce para pegar uma pena menor”, diz um de seus advogados, Luiz Carlos Rocha. “A diferença para outros réus é a convicção que ele tem de não ter feito nada de errado. Lula faz da sua inocência a sua força motriz. Não admite nem conversar sobre a possibilidade de um indulto nem mesmo de uma prisão domiciliar. Quer ser julgado e inocentado.”
No primeiro dia de visita depois da morte de Arthur, o deputado cearense José Guimarães, do PT, esteve na carceragem da PF. Assim que entrou, abraçou o ex-presidente e passou a dizer-lhe palavras de consolo. Foi interrompido na hora. “Zé, eu tenho 73 anos e ainda estou tentando entender tudo o que aconteceu comigo. Vamos seguir em frente e vamos lutar!”
Quando foi comunicado na cadeia sobre o falecimento do neto, repetiu três vezes: “O Arthur? O Arthur? O Arthur?” Chorou por 12 horas. Quando embarcava no helicóptero da polícia, depois de participar do velório em São Paulo, brincou com o próprio infortúnio: “Vocês têm coragem de voar comigo nisso aí?”, perguntou. “Nunca vi um preso com a capacidade de resiliência que ele tem”, disse a CartaCapital, sob sigilo, um agente da PF de Curitiba cuja experiência ultrapassa duas décadas. “Esse é um homem muito forte, extremamente forte. Acredita de verdade que não cometeu crime algum. Entre os presos da Lava Jato, eu nunca tinha visto ninguém assim.”
Desde 7 de abril de 2018, Lula vive sozinho num espaço de 25 metros quadrados no quarto andar do prédio da PF. Um quarto com banheiro, armário, mesa com quatro cadeiras, uma esteira ergométrica, uma tevê apenas com canais abertos. Na parte da manhã, conversa por uma hora com Luiz Carlos Rocha, a quem chamam de Rochinha. À tarde, recebe o também advogado Manoel Caetano, pelo mesmo período. De resto, permanece isolado no quarto, lendo e assistindo televisão. Por alguns dias agarrou-se ao catatau de Lilia Schwarcz e Heloisa Starling, Brasil: Uma Biografia, de 709 páginas. Come a comida da cadeia, a não ser quando, no dia da visita – às quintas –, chega a “moela da Neide”, prato preferido preparado pela cozinheira do Instituto Lula. A lamentar, a televisão que raramente passa o Corinthians, cujo uniforme, shorts e camisa, costuma vestir quase todas as manhãs.
Sempre sozinho na cela durante os fins de semana, Lula dedica-se a ler uma montanha de cartas que lhe chega depois da triagem feita numa sala térrea do Instituto Lula, onde a imersão exige um coração valente. Há escritos de todo tipo. Uma pessoa de Anita Garibaldi, em Santa Catarina, diz que o pai costumava ouvi-lo no rádio, mas que só viram seu rosto depois que o projeto Luz para Todos permitiu que ligassem uma televisão. Um outro escreve a cada três dias. Há uma profusão de jovens que se formam e correm a agradecer a chance que lhes foi dada pelos programas de bolsas e cotas em universidades. De Palmópolis, Minas Gerais, uma senhora diz que Lula “com Bolsa Família matou a fome de muita gente e hoje está nessas condições”. Mais adiante, “sei que sua companheira faltou e que você não pode chorar de tanta tribulação (SIC). Pela fé que tenho em Deus você vai sair dessa”. A carta, ditada, tem por assinatura a digital de seu polegar.